Estudos sobre saúde na Área Metropolitana de Brasília são publicados pelo Ibict

maio 4 • Notícias • 539 Views • Comentários desativados em Estudos sobre saúde na Área Metropolitana de Brasília são publicados pelo Ibict

O Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict), por meio do Projeto Brasília 2060, acaba de publicar estudos que traçam e projetam demandas para a saúde na Área Metropolitana de Brasília (AMB). Os documentos apresentam para profissionais da saúde, instituições públicas e privadas e a sociedade em geral a linha de base e as opções estratégicas para área de saúde na capital federal e região.

Os estudos consistem nos primeiros produtos da proposta de trabalho da equipe da área temática da saúde do projeto Brasília 2060. Os documentos têm como objetivo apresentar um diagnóstico do cenário atual do sistema de saúde, bem como a evolução e a projeção para os próximos anos da saúde da população da AMB. A equipe técnica de saúde do projeto é coordenada por Vinícius de Araújo Oliveira, especialista em saúde publica, e conta com a participação de gestores, pesquisadores e profissionais da área de saúde.

Segundo Vinícius de Araújo, foi realizado, em setembro de 2015, um workshop onde foram apresentadas a linha de base e identificadas as opções estratégicas fundamentais para a área de saúde, possibilitando o cumprimento de um projeto de sustentabilidade local. “Na oportunidade, foram discutidas propostas que estimularão o debate sobre uma reestruturação da saúde do Distrito Federal. Foram abordadas características da região que, eventualmente, poderão servir de piloto para outras unidades da federação, obviamente atendendo às peculiaridades de cada estado brasileiro”, observa o coordenador da temática de saúde do Brasília 2060.

Para o professor e coordenador do Projeto Brasília 2060, Paulo Egler, o Ibict vem cumprindo e reafirmando o seu compromisso e missão com o país e, no caso do projeto, especificamente com a capital do Brasil. “Nesse projeto, o instituto vem desenvolvendo, customizando e operacionalizando ferramentas e metodologias que permitem o desenvolvimento de sistemas de informação de modo compartilhado, agregando valor à informação produzida, dando visibilidade aos dados sistematizados de várias áreas. Vale lembrar que, além do tema Saúde, também foram produzidos estudos sobre Ciência, Tecnologia e Inovação; Cultura, Esporte e Lazer; Educação; Mobilidade Urbana e Segurança no âmbito de Brasília”, detalha Paulo Egler.

A diretora do Ibict, Cecília Leite, afirma que o principal objetivo do Brasília 2060 é resgatar a atividade de planejamento para a AMB. “Neste sentido, o projeto representa um experimento de elaboração de políticas, planos e programas públicos, tendo como objeto de trabalho a cidade de Brasília e seu entorno, com suas características e particularidades principais”, explica Cecília.

Linha de base

O estudo produziu objetos de discussão de grande complexidade, analisando e prospectando cenários, considerando ferramentas necessárias à qualificação e efetividade do projeto. O documento trata de diversos assuntos que permeiam a atual situação da área de saúde do DF e região, como indicadores demográficos, socioeconômicos, mortalidade e morbilidade.

A linha de base foi conduzida a partir de uma metodologia quantitativa, propondo-se analisar o cenário atual da saúde da população da AMB. O documento discute também a evolução, bem como a tendência em séries temporais dos principais indicadores de saúde populacional disponíveis em bases de dados.

Os dados analisados permitiram compor, de forma preliminar, um cenário pouco favorável à saúde da população na AMB na atualidade e nos próximos anos. A forte desigualdade de renda e o afluxo migratório frequente definem um quadro social com graves impactos para a vida e a saúde das pessoas, compondo uma situação de alerta para o sistema de saúde do DF.

A metodologia utilizada buscou atender às necessidades do estudo, permitindo o delineamento do cenário e das tendências futuras da situação de saúde no território em questão, proporcionando uma visão mais ágil e igualmente confiável dessa análise.

Opções Estratégicas

O documento não tem a pretensão de chegar a um modelo acabado, mas, tão somente, expor ao crivo de especialistas opções que possam vir a agregar valor a um sistema que precisa continuamente ser repensado, em face das atualizações necessárias para que o país possa superar gargalos, por demais conhecidos, a exemplo da busca por mais competitividade da economia brasileira, sob uma perspectiva social e de sustentabilidade.

O estudo possui entre as suas principais metas ampliar o conhecimento sobre a área temática (saúde) e o diálogo que envolve os pontos de discussão levantados, além de complementar a linha de base, consolidando propostas (opções estratégicas) de maneira participativa.

As três opções estratégicas levantadas para a saúde foram: Organização da Rede Assistencial de Saúde, Modelo de Gestão e Incorporação Tecnológica, de forma direta ou transversal. As opções complementam o processo de pesquisa e proporcionam o refinamento da linha de base.

Além dessas três perspectivas, ficou sinalizada uma quarta visão – fruto de análise documental – a fim de entender o planejamento regionalizado, que engloba os planos municipais e demais documentos de articulação regional que existem no território.

Clique aqui para acessar os documentos da área de saúde.

Comunicação Social do Projeto Brasília 2060
Foto: Fernando Audibert (Licença de conteúdo: FreeImages.com)

Post Relacionados

Os comentrios esto fechados.

« »