Projeto Brasília 2060: Cultura, Esporte e Lazer no centro dos debates sobre políticas públicas

ago 19 • Cultura, Esporte e Lazer, Notícias • 1035 Views • Comentários desativados em Projeto Brasília 2060: Cultura, Esporte e Lazer no centro dos debates sobre políticas públicas

Projeto Brasília 2060: Cultura, Esporte e Lazer no centro dos debates sobre políticas públicas

“É fundamental pensarmos em longo prazo quando estamos falando de política esportiva no Brasil. Ainda costumamos tratar esse assunto no Brasil sob a perspectiva de determinado ministro, governo, secretário ou partido. O esporte é uma causa absolutamente suprapartidária. Precisamos de um plano diretor do que nós queremos para o esporte brasileiro e brasiliense”, explicou o velejador Lars Grael, um dos especialistas presentes no workshop “Opções Estratégicas em Cultura, Esporte e Lazer na Área Metropolitana de Brasília”, realizado pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict), no âmbito do Projeto Brasília 2060.

Projeto Brasília 2060: Cultura, Esporte e Lazer no centro dos debates sobre políticas públicasCerca de 60 especialistas, autoridades, professores e líderes comunitários estiveram reunidos, nos dias 18 e 19 de março para pensar as áreas de Cultura, Esporte e Lazer para o Distrito Federal. “O Projeto Brasília 2060 é uma das iniciativas mais importantes do Ibict nos últimos anos. É uma ação que reúne especialistas de várias áreas, cujos frutos poderão ser replicados inclusive fora de Brasília”, afirmou Ricardo Crisafulli, coordenador de Planejamento, Acompanhamento e Avaliação, que esteve presente no evento representando Cecília Leite, diretora do instituto.

O Projeto Brasília 2060, a cargo do Ibict desde 2014, vem sendo pensado e concebido há alguns anos, como explica o professor Paulo Egler, coordenador da iniciativa. “A ideia do projeto nasceu quando Brasília fez 50 anos. Pensou-se em olhar o futuro de Brasília a partir da premissa básica de que esta é uma cidade planejada. Obviamente, o que se esperava de uma cidade com essa natureza na sua gênese era que pensássemos uma cidade com qualidade de vida e sustentabilidade”, detalhou o professor durante a abertura do workshop.

Projeto Brasília 2060: Cultura, Esporte e Lazer no centro dos debates sobre políticas públicasPara a professora Thérèse Hofmann, coordenadora da área de Cultura, Esporte e Lazer do Projeto Brasília 2060, o workshop representa a consolidação de uma nova fase. “Trata-se de uma etapa importante porque pudemos apresentar todo o resultado das pesquisas e dos levantamentos feitos até o momento e, especialmente, reunir as impressões e sugestões dos especialistas presentes, para que possamos avançar nas propostas”, detalhou. Coadunando com a opinião de Lars Grael, outro aspecto reforçado por Thérèse é a importância do pensamento em longo prazo, citando que, em momentos de crise econômica no país, as principais áreas inicialmente afetadas são a cultura, o esporte e o lazer.

Projeto Brasília 2060: Cultura, Esporte e Lazer no centro dos debates sobre políticas públicasRicardo Avellar, diretor de esporte de alto rendimento do Ministério do Esporte, também concorda sobre a importância do planejamento na gestão pública. “O maior mérito dessa discussão é exatamente esse: precisamos parar e discutir um planejamento em longo prazo e entender que o que nós faremos irá demorar a aparecer, mas serão políticas públicas muito mais consolidadas. Temos muitos questionamentos a fazer também. Qual o papel de cada um, do Estado, das entidades privadas e do terceiro setor?”, indagou.


Opções estratégicas para o futuro de Brasília

Entre os problemas apontados pelo grupo da área de Cultura presente no evento, foi mencionada a falta de valorização dos artistas locais, a ausência de pesquisas para subsidiar o planejamento de políticas culturais e a carência de políticas formativas para toda a cadeia produtiva do campo – profissionais, gestores, educadores e público. “O objetivo central do encontro foi criar opções estratégicas para subsidiar a gestão pública. Especificamente quanto à cultura, ela está em tudo, inclusive no lazer e no esporte. Todas as áreas estão relacionadas e devemos pensá-las a partir desse pressuposto”, explicou Valéria Gentil, responsável pelo subtema de Cultura.

As opções estratégicas levantadas pelas equipes das três áreas foram, como explica o professor Alexandre Rezende, responsável pelo subtema de Esporte, pensadas de maneira estruturada. “As pessoas geralmente estão voltadas em atender demandas que estão mais presentes na mídia ou pela organização dos grupos que as representam, mas não em função de uma lógica estratégica. Quando juntamos especialistas e pedimos uma reflexão nesse sentido, temos a expectativa de contar com diretrizes fundamentais que vão ser importantes para a condução da pesquisa e para a gestão das políticas públicas”, afirmou.

As discussões estabelecidas nas plenárias apontam para a importância das áreas de Cultura, Esporte e Lazer para a construção de um novo cenário para o Distrito Federal. Nesse sentido, Lars Grael destacou o quão fundamental é o trabalho conjunto entre governo, iniciativa privada, terceiro setor e a população.

“O esporte é um direito de todos e é um dever do Estado oferecer a pratica esportiva no sentido educacional, lúdico e da saúde preventiva. Quando nós percebemos que, em uma nação que deseja ser uma potência olímpica e paralímpica, tantos jovens nascem com alguma vocação pra alguma prática esportiva e sequer possuem a oportunidade dessa prática, vemos que há a ausência do papel do Estado. Então, quando o Estado não chega, muitas vezes há iniciativas que podem chegar lá por meio de organizações não governamentais e outras ações comunitárias”, disse Lars.

O velejador citou iniciativas positivas realizadas pela sociedade civil, como a do Instituto Joaquim Cruz, no DF, e o Projeto Grael, no Rio de Janeiro, que proporciona oportunidades educacionais, profissionais e de socialização por meio da experiência náutica, para crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social.

* Sobre o Projeto Brasília 2060

O Projeto Brasília 2060 adotou na sua fase inicial seis áreas temáticas para o processo de experimentação de formulação de políticas, planos e programas: Educação; Saúde; Segurança Pública; Ciência, Tecnologia e Inovação; Mobilidade Urbana; e Cultura, Esporte e Lazer. O principal objetivo do projeto é o resgate da atividade de planejamento. Nesse sentido, a ação representa um experimento de elaboração de políticas, planos e programas públicos, tendo como objeto de trabalho a cidade de Brasília e seu Entorno, com duas características principais.

A primeira é a adoção de um método de trabalho que tem origem na avaliação de sustentabilidade. Por esse método, qualquer trabalho de prospecção de futuro deve ser embasado em visão detalhada e precisa do presente, ou seja, na construção de uma linha de base. Além desse aspecto, o método prevê que a formulação de políticas, planos e programas tem de ser realizada sempre se considerando a dimensão territorial e a avaliação de impactos das opções de futuro adotadas.

A segunda é o desenvolvimento de um sistema de informações que colete, organize, sistematize e dissemine informações de três naturezas: estatísticas, textos e imagens e informações georreferenciadas.

Para mais informações sobre o projeto: http://brasilia2060.ibict.br

Créditos das imagens: Victor Almeida

Post Relacionados

Os comentrios esto fechados.

« »